Follow by Email

sábado, 28 de maio de 2011

Comparação entre café e vinho (parte 1)The Coffee -Wine Comparison (part1)


Café parece ser um tema simples, pelo menos quando você comprou o café , colocando-o em água quente, (apertamos o maxilar) e engolimos a bebida. Quando eu comecei no café, muitas pessoas ainda não sabiam que um grão de café torrado, e muito diferente da semente verde! Naqueles dias Joe consumidor de café podia dar uma idéia da aparência do café. Mas quando uma estação de TV local na área da Baía (nós não devem ser sofisticados?) tinha um convidado "especialista café", a discussão foi limitada a Latte vs. Mocha. Informações sobre a origem do café, onde foi cultivada, por quem, como ele foi processado, etc. são bem difícil de se encontrar em um Starbucks … os nomes dos proprietários bebidas e os blends dominam o menu.

A discussão na especialidade café tem sido como levar as pessoas a tomar café... como podemos levá-los a refletir sobre a noção de que há muita coisa para saber sobre esta bebida muito complexa? A resposta tem sido fazer café "vinho novo"; falar sobre isso como o vinho, escrever sobre ele, como o vinho, vendê-lo como o vinho. Eu acho que o argumento foi convincente. Uma empresa começou a vender seu café torrado e verde em garrafas de vinho, claras! Como congelar o café verde para salvar "safras" como um iria adega Borgonha.
De forma geral, é fácil comparar café ao vinho. Não são as necessidades nutricionais, mas são as partes integrante de nossos hábitos alimentares. Ambos são consumidos por prazer. E o aroma e sabores de ambos têm o potencial para conectar-se aqueles que definem a vida e o destino de pessoas em todo o mundo, a sua cultura, sua nação, seu solo. O que nós apreciamos é um resultado direto de seu cuidado da planta, precisão no processamento, transporte cuidadosa e tratamento e diligência em preparação. Quanto mais nós apreciamos um único cafés de origens distintas, a mais fortes e mais claras de que a conexão pode tornar-se.

Por que fazer padrões/normas?
O café precisa, sem dúvida, normas para melhorar a ligação entre os amantes da bebida e todos aqueles cujo trabalho faz com que seja possíveis, normas que são adaptáveis e adequado ao nosso comércio exclusivo. Você não pode certificar uma boa xícara de café desde que ele poderia ser obsoleto! E o processo de instituir um neutro "board café", um não relacionado a qualquer associação ou entidade de negócios, é uma tarefa assustadora. Mas alguém tem que garantir o significado da primeira qualidade dos cafés quando o mercado se recusa a pagar um preço justo, e corporações estão felizes com as ofertas para fazê-los soar como origem única.
"Por que não deixar o mercado determinar denominações de café?". No nosso comércio, o segmento mais elevado de café especial, existe um problema com o "café especial falsos" estão sendo oferecido pelos corretores e exportadores. Para um provador inexperiente parecem aceitaveis, mas o café não foi processado com padrões elevados, máscaras falhas que eventualmente emergem, o café verde não irão realizar-se ao longo do tempo. É fácil anexar "marcas comerciais" para lotes de café em uma fábrica que o som como nomes de fazenda, quando na verdade o café é misturado. Tais cafés merecem seus baixos preços de mercado.

Por outro lado, cafés de uma único fazenda frequentemente merecem dobrar seu preço atual! Um mercado baseado na concorrência global sobre indiferenciado lotes de mercadoria não faz sentido a Comunidade de compradora. Visitar uma fazenda de café que tem sua própria fábrica. Você não pode acreditar que a qualidade de trabalho especializado, hábil que vai para cada quilo de café verde.
O maior comércio de café se encontram um universo além do nosso negócio, há outra necessidade de normas. Sempre tem um "espresso" de uma máquina automatizada em uma estação de serviço ou loja de conveniência? Já se perguntou por que mesclagem Kona tem gosto de cru, ou se um Mocha-Java tem Iêmen ou Java nele? Ou que todo mundo parece ter agora Antígua e Tarrazu, mas nenhuma região produz muito. Como o "Jamaica alta montanha"?
O que você recebe sem normas é um monte de empresas de café com um monte de normas, competindo em um mercado irregular. Você tem torrefadores com os mais altos princípios de qualidade em um mercado  como o do café a e um negócio sem escrúpulos, e ambos têm o mesmo nome exato no saco: dois cafés pode ser chamados de Mandheling de Sumatra e ser de caráter cup completamente diferente e qualidade.
Quando um consumidor vai a um supermercado como ele pode ter a certeza que está comprando um café especial de qualidade gourmet e não um café especial com qualidade bem inferior a um gourmet ou espresso, mas na embalagem consta o selo de qualidade gourmet?
Sem normatização do setor não tem como o consumidor ter ciência do que está realmente levando para casa!


Coffee seems like a straightforward topic, at least it did when you bought coffee in a can, dissolved it in hot water, (clenched your jaw) and slogged it down. When I started in coffee, many people still did not know what a roasted coffee bean looked like, let alone the green seed! These days Joe Consumer may have an inkling that there's more to coffee than it seems. But when a local TV station in the Bay Area (aren't we supposed to be sophisticated?) had a "coffee expert" guest, the discussion was limited to Latte vs. Mocha. Information about the coffee origin, where it was grown, by whom, how it was processed, etc. is pretty hard to find at a Starbucks … the names of proprietary beverages and blender drinks dominate the menu.
The discussion in Specialty Coffee has been how to get people to take coffee seriously… how do we get them to ponder the notion that there is a lot to know about this very complex beverage? The answer has been to make coffee the "new wine"; talk about it like wine, write about it like wine, sell it like wine. I guess the argument was convincing; one company started to sell their roasted and green coffee in clear, corked wine bottles! Another deep freezes green coffee to save "vintages" as one would cellar Burgundy.

In a general sense, it is easy to compare coffee to wine. Neither are nutritional necessities, but are integral to our food habits. They are both consumed for pleasure. And the aroma and flavors of both have the potential to connect those who imbibe with the lives and fates of people throughout the world, to their culture, their nation, their soil. What we enjoy is a direct result of their care of the plant, precision in processing, careful transportation and handling, and diligence in preparation. The more we enjoy single-farm coffees from distinct origins, the stronger and clearer that connection might become.
Why make standards? Coffee certainly needs standards to enhance the bond between those who love the drink, and all those whose work makes it possible, standards that are adaptive and suited to our unique trade. No, you can't certify a good cup of coffee since it could be stale, or even worse, French-roasted! And the process of instituting a neutral "coffee board," one not related to any trade association or business entity, is a daunting task. But someone has to guarantee the meaning of first-tier coffees when the market refuses to pay a fair price, and corporations are happy to fudge the names of offerings to make them sound single-origin, or Estate-grown.

"Why not let the market determine coffee denominations?". In our trade, the highest end of specialty coffee, there is a problem with "phony specialty coffee" being offered by brokers and exporters. To an inexperienced cupper they seem passable, but the coffee has not been processed to high standards, the cup masks flaws which eventually emerge, the green coffee will not hold up over time. It's easy to attach "brand names" to coffee lots at a mill that sound like farm names, when in fact the coffee is mixed. Such coffees do not deserve their low market prices.
On the other hand, true single-farm coffees often deserve double their current price! A market based on global competition over undifferenitated commodity lots makes no sense in the specialty community. Visit a coffee farm that has its own mill; you cannot believe the amount of specialized, skilled labor that goes into each pound of green coffee.
In parts of the greater coffee trade that lie a universe apart from our business, there is another need for standards. Ever have an "espresso" from an automated machine at a service station or convenience store? Ever wondered why Kona Blend tastes like crud, or if a Mocha-Java has Yemen or Java in it? Or that everyone seems to have Antigua and Tarrazu now, but neither region produces that much . How about "Jamaica High Mountain?"
What you get without standards is a lot of coffee businesses with a lot of standards, competing on an uneven surface. You have roasters with the highest principles of quality and freshness in a marketplace with crudy old coffee from an unscrupulous business, and both have the exact same name on the bag: two coffees can be called Sumatra Mandheling and be of completely different cup character and quality.
When a consumer goes to a supermarket as he can be sure you're buying a special quality gourmet coffee and not a specialty coffee with quality well below a gourmet or espresso, but the packaging is in the seal of quality gourmet?
Without standardization sector does not have as a consumer have knowledge of what is actually taking home!

Nenhum comentário:

Postar um comentário