Follow by Email

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Bebidas com cafeína e excreção urinária (Caffeinated beverages and urinary excretion)




Em um estudo que investigou o efeito do café na excreção de urina, os autores observaram um aumento significativo do volume de urina excretada entre aqueles que bebiam café, em comparação com aqueles que beberam o mesmo volume de água. Observou-se um aumento de 41% na excreção de urina de 24 horas quando os participantes receberam seis xícaras de café (642 mg de cafeína). No entanto, todos se abstiveram de alimentos e bebidas que contêm cafeína para cinco dias antes do tratamento, efetivamente torná-los sem 'cafeína'. Nestas circunstâncias, o mais pronunciado efeito da cafeína, contendo bebidas, como o café, é de se esperar.
Outro estudo investigou o efeito de várias bebidas cafeínadas sobre hidratação. Não houve nenhuma diferença significativa entre os resultados de vários indicadores de hidratação, incluindo a excreção urinária e alteração de peso, mostrando que o estado de hidratação não foi alterado. O desenho do estudo foi contundante e numerosos indicadores foram tidos em conta.

Uma nova revisão de literatura concluiu que a ingestão aguda de cafeína em grandes doses (pelo menos 250-300 mg, equivalente ao montante encontrado em 2-3 xícaras de café ou 5-8 xícaras de chá) resulta em uma curto prazo estimulação da produção de urina em indivíduos que foram privadas de cafeína por um período de dias ou semanas. Desenvolve tolerância para o efeito diurético suave, a curto prazo da cafeína, no entanto, e esses efeitos são diminuídos em pessoas que consomem regularmente chá ou café. Doses de cafeína equivalente ao montante encontrado em porções padrão de refrigerantes, café e chá parecem não ter nenhum efeito diurético.

Um estudo mais recente observou para a influência da cafeína sobre eventual desequilíbrio de fluidos em três condições. Os participantes consumido cafeína de 3 mg por kg/peso nos dias 1 a 6. Nos dias 7 a 11, a fase de tratamento, consumiram 0 mg, mg 3 ou 6 mg de cafeína por kg/peso. Não há provas de desidratação para o sexo masculino que participaram no estudo em todas as condições.


Bebidas com cafeína e ingestão de líquidos

Em um estudo que investigou o efeito do café na excreção de urina, os autores observaram um aumento significativo do volume de urina excretada entre aqueles que bebiam café, em comparação com aqueles que bebeu o mesmo volume de água. Observou-se um aumento de 41% na excreção de urina de 24 horas quando os participantes receberam seis xícaras de café (642 mg de cafeína). No entanto, todos se abstiveram de alimentos e bebidas que continham cafeína para cinco dias antes do tratamento. Nestas circunstâncias, um mais pronunciado efeito da cafeína, contendo bebidas, como o café, é de se esperar.

Um documento relatando uma conferência na América do Norte aconselha aos consumidores que beber uma variedade de bebidas cafeinadas, incluindo café, podem contribuir para atender exigência do corpo de fluidos.

Note-se que o café contém mais de 95% água, contribuindo assim para a ingestão de fluidos. A Autoridade Européia para a segurança dos alimentos (AESA) concluiu recentemente que se estabeleceu uma relação de causa e efeito entre a ingestão de água e a manutenção da função cognitiva normal e física.


In a study investigating the effect of coffee drinking on urine excretion, the authors observed a significant increase in the volume of urine excreted among those who drank coffee, compared to those who drank the same volume of water. A 41% increase in 24-hour urine excretion was observed when the participants were given six cups of coffee (642mg of caffeine). However, the subjects abstained from foods and beverages containing caffeine for five days prior to treatment, effectively making them ‘caffeine naive’. In these circumstances, a more pronounced effect of caffeine-containing drinks, like coffee, is to be expected.

Another study investigated the effect of several caffeinated beverages on hydration. There were no significant differences between the outcomes of various hydration indicators, including urinary excretion and weight change, showing that hydration status was not altered. The study design was robust and numerous indicators were taken into account.

A further literature review concluded that the acute ingestion of caffeine in large doses (at least 250-300mg, equivalent to the amount found in 2-3 cups of coffee or 5-8 cups of tea) results in a short-term stimulation of urine output in individuals who have been deprived of caffeine for a period of days or weeks. Tolerance to the mild, short-term diuretic effects of caffeine develops, however, and these effects are diminished in individuals who regularly consume tea or coffee. Doses of caffeine equivalent to the amount found in standard servings of tea, coffee and carbonated soft drinks appear to have no diuretic effect.



A more recent study of 59 subjects looked at the influence of caffeine on possible fluid imbalance under three conditions. The participants consumed 3mg caffeine per kg/body weight on days 1 to 6. On days 7 to 11, the treatment phase, subjects consumed either 0mg, 3mg or 6mg caffeine per kg/body weight. There was no evidence of dehydration in the healthy, active males taking part in the study across the conditions.
Caffeinated beverages and fluid intake

On the initiative of a group of scientists, a Beverage Guidance Panel was set up in US, with the objective of systematically reviewing the literature on beverages, and providing guidance to consumers. As far as caffeinated beverages are concerned, the Panel states that caffeine consumption of up to 500mg/day (the equivalent amount found in approximately 5 regular cups of coffee) does not cause dehydration.

A paper reporting on a conference in North America advises consumers that drinking a variety of caffeinated beverages, including coffee, can contribute to meeting the body’s requirement for fluids.

It should be noted that black coffee contains more than 95% water, thereby contributing to fluid intakes. The European Food Safety Authority (EFSA) recently concluded that a cause and effect relationship has been established between the dietary intake of water and the maintenance of normal and physical cognitive function.


Nenhum comentário:

Postar um comentário