Follow by Email

segunda-feira, 2 de maio de 2011

Existencialismo (Existencialism)

Existencialismo

O existencialismo foi inspirado nas obras de Arthur Schopenhauer, Soren Kierkegaard, Fiódor Dostoievski e nos filósofos alemães Friedrich Nietzsche, Edmund Husserl e Martin Heidegger, e foi particularmente popularizado em meados do século XX pelas obras do escritor e filósofo francês Jean-Paul Sartre e de sua companheira, a escritora e filósofa Simone de Beauvoir. Os mais importantes princípios do movimento são expostos no livro de Sartre "L'Existentialisme est un humanisme" ("O existencialismo é um humanismo").
O termo existencialismo foi adotado apesar de existencia filosofica ter sido usado inicialmente por Karl Jaspewrs, da mesma tradição. O existencialismo é um movimento filosofico e literario distinto pertencente aos seculos XIX e XX,mas os seus elementos podem ser encontrados no pensamento (e vida) de Socrates,Aurelio Agostiho e no trabalho de muitos filosofos e secritores pré-modernos.Culturalmente, podemos identificar pelo menos duas linhas de pensamento existencialista: Alemã-Dinamarquesa e Anglo-Francesa. As culturas judaica e russa também contribuíram para esta filosofia. O movimento filosófico é agora conhecido como existencialismo de Beauvoir. Após ter experienciado vários distúrbios civis, guerras locais e duas guerras mundiais, algumas pessoas na Europa foram forçadas a concluir que a vida é inerentemente miserável e irracional. Para muitos autores, como Heidegger e Kierkegaard, também existencialistas, sendo que em torno das suas teses se constituíram correntes ainda hoje vivas. O existencialismo não morreu de fato, pelo contrário, continua a produzir, quer na filosofia, quer na literatura, no cinema, ou até na ideologia de vida.Os temas existencialistas são férteis no terreno da criação literária, nomeadamente na literatura francesa, e continuam a exibir vitalidade no mundo filosófico e literário contemporâneo.
As principais temáticas abordadas sugerem o contexto da sua aparição (final da Segunda Guerra Mundial), reflectindo o absurdo do mundo e da barbárie injustificada, das situações e das relações quotidianas ("L'enfer, c'est les autres", "O inferno são os outros",Jean-Paul Sartre).A existência humana, em toda a sua natureza, é questionada: quem somos? O que fazemos? Para onde vamos? Quem nos move?É esta consciência aguda de abandono e de solidão (voluntária ou não), de impotência e a  não justificação das acções, que se manifesta nas principais obras desta corrente em que o filosófico e o literário se conjugam.


Existentialism was inspired by the works of Arthur Schopenhauer, Soren Kierkegaard, Fyodor Dostoevsky and German philosophers Friedrich Nietzsche, Edmund Husserl and Martin Heidegger, and was particularly popularized in the mid-20th century through the works of French writer and philosopher Jean-Paul Sartre and his companion, writer and philosopher Simone de Beauvoir. The most important principles of the movement are exposed in the book "Sartre L'existentialisme est un humanisme (Existentialism is a humanism").
The term Existentialism was adopted despite existence philosophical; having been used initially by Karl Jaspers, the same tradition. Existentialism is a philosophical and literary movement belonging to distinguished nineteenth and twentieth century’s, but its elements can be found in the thinking (and life) of Socrates, Aurelio Agostinho and on the work of many philosophers and writers pre-modern lifestyles. Culturally, we can identify at least two lines of Existentialist thought: German-Danish and Anglo-Norman French. The Russian and Jewish cultures have also contributed to this philosophy. The philosophical movement is now known as Existentialism de Beauvoir. After experiencing several civil disturbances, wars and both world wars, some people in Europe were forced to conclude that life is inherently miserable and irrational. For many authors, such as Heidegger and Kierkegaard, also existentialists, and around their current theses were still living today. Existentialism not died actually, on the contrary, continues to produce, both in philosophy, literature, cinema, or even in the ideology of life. Existentialist themes are fertile ground of literary creation, including in French literature, and continue to view vitality in contemporary philosophical and literary world.

The principal themes addressed suggest the context of its appearance (end of the Second World War), reflecting the absurdity of the world and unjustified barbarism, of everyday situations and relations ("l'enfer, c'est les autres", "The hell are the others", Jean-Paul Sartre). Human existence in all its nature is questioned: who are we? What do we do? Where do we go? Who moves? This is acute consciousness of abandonment and loneliness (voluntarily or not), impotence and no justification of actions, manifested in major works of this current in the philosophical and literary reconciled.

Nenhum comentário:

Postar um comentário